Páginas

domingo, 24 de fevereiro de 2013

Ah, os E.U.A...

     Ahhhhhh, a cultura norte-americana. Ou estadunidense, tanto faz. Eu, particularmente, adoro!!!!! Sou fã mesmo. E você não precisa me mutilar verbalmente por isso, por não ser uma "patriota brasileira" e talz.  Gosto do Brasil também. Mas, sei lá. Os Estados Unidos tem alguma coisa que me fascina, me deixa com um brilho nos olhos. Talvez eu tenha nascido no país errado e por isso me sinto assim. Ou fui adotada, vai saber. Brincadeirinha =)
     Agora, vai dizer que você não adora os filmes americanos? Aquelas comédias, os romances, daí tem a cerimônia do Oscar *-* E os seriados então? Duvido que você nunca tenha assistido um episódio de Gossip Girl, Two and a Half Man, The Vamíre Diaries ou qualquer um dos CSI.
    Tem a literatura. Muitos dos melhores livros, e que ficam um tempão na lista dos mais vendidos, inclusive no Brasil, são americanos. E também tem a música. Quem nunca ouviu um trechinho que seja das músicas da Rihanna, Kelly Clarkson, do Chris Brown, Pink, Maroon 5, entre outros? Aposto que você até lembrou de alguma agora. Tem a cerimônia do Grammy e os programas que revelam nossos próximos artistas favoritos: o American Idol, o The X Factor...
    Sem falar na moda. Adooooro os modelitos que os americanos usam. Nem aí pra nada, vestem o que querem, e muitos acabam copiando. Usam flores com listras, blusas em cima de blusas, e por aí vai. E acredito que muita gente acaba se inspirando na Nina Dobrev, no Ne-Yo, na Rihanna, Ashley Tisdale, Demi Lovato e muitos outros artistas para criar um estilo de se vestir.
    Não podemos esquecer o esporte. Futebol americano, basebol, basquete. Gosto de ver a NBA e as grandes estrelas do basquete em quadra. LeBron James, Dwyane Wade, Kobe Bryant, Kevin Durant, e uma lista enorme de jogadores consagrados.
    Quem nunca comeu um McDonald's, Subway, Burger King?? E a tecnologia? Tá que muito vem da China, mas o Google, Microsoft, Apple ficam onde mesmo??? Sem falar nos baixos impostos...  Ou você não se surpreende em pagar mais de R$ 2 mil em um Iphone no Brasil enquanto lá custa, sei lá, uns US$ 299 (R$ 600,00)?
     Estados Unidos!!! Terra do Central Park, da Times Square, da Casa Branca, da Disney. De New York, Flórida, Califórnia. Carolina do Sul, Alabama. Do Alaska e a aurora boreal. De Nevada, Las Vegas, Idaho, New Hampshire... Prometo a vocês que, assim que eu ficar rica(HAHA), e assim que o visto do Brasil para os Estados Unidos não for mais necessário(já existem boatos sobre isso), conhecerei todos os 50 estados do país do Barack Obama, do George W Bush, do Bill Clinton, John Kennedy, Abraham Lincoln, George Washington...
   

domingo, 17 de fevereiro de 2013

Sobre a moda

    Sabe, eu gosto de moda. Adoro ver Gossip Girl, The Carrie Diaries e outros seriados sobre o assunto, fotos e páginas no Facebook que falam sobre isso. Admiro as pessoas que conseguem estar na moda com pouco,  ou que fazem a sua própria moda. Mas, a exemplo do primeiro seriado que eu citei ali, para estar  na moda é preciso ter dinheiro. E vamos concordar que isso é fato.
    Admito ser uma compradora compulsiva. Eu adooooooooooooooooooro comprar bolsas, roupas, sapatos, maquiagem e tudo o que deixa nós, mulheres, felizes. Só que ultimamente tenho me controlado. Não por vontade própria, mas por obrigação. Pagando a faculdade, que é beeeeeeeem carinha, o que sobra do meu lindo salário não me deixa comprar muita coisa não. E é difícil passar por uma loja e só olhar, sem levar nem uma única coisinha. Voltamos ao caso do dinheiro+moda. O que eu tive que fazer então? Me adaptar com o que eu já tenho. E não foi tão difícil...Tá, talvez um pouquinho. =)
    Como diria minha irmã mais nova, estou sendo "sustentável", reaproveitando tudo o que tenho, roupas que não usava há anos ou que só usei uma vez. E como eu não tenho um "estilo definido", está dando certo. Uso o que me deixa bem, e faço a combinação que acho legal. E assim vai indo.
    Enfim, me encanto com os fashionistas por aí, com quem sempre consegue estar na moda e com os estilosos de plantão. Só que cheguei a conclusão de que não se precisa seguir a risca a regra da moda. Dá para ser feliz e inovar com o que se tem no guarda-roupa. Mas, tem um detalhezinho: euzinha aqui não prometo que não cometerei algum ato de loucura e usarei o cartão de crédito para fazer umas comprinhas "necessárias" de vez em quando. Afinal, ninguém é de ferro.



sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Os anos...


2005! Ano novo, escola nova, amigos nem tão novos assim. Ela já conhecia todos os companheiros de sala devido a um curso preparatório para entrar no ensino médio, feito no ano anterior. Apenas dois ou três rostos diferentes, nada de mais... Até ela reparar em outro desconhecido passando pela porta. Cabelo comprido, alto, magro. O olhar dela o seguiu até o famoso “fundão”, onde ele sentou. “Deve ser roqueiro” foi o pensamento dela...
               2007! Finalmente o terceirão, o ano da formatura. E nesses três anos as únicas palavras trocadas entre os dois foram “oi, beleza, e aí”. Talvez um sorriso, nada além disso. Mas esse foi o ano em que as coisas mudaram. O interesse dela por ele começou a aumentar, mais um pouco, e mais até que quando ela viu, já era: estava afim dele. De repente as amigas já sabiam, e ela tentou dar umas indiretas. Guardava o lugar em que ele costumava sentar, fez uma ou duas lições de casa, foi a jogos de basquete em que ele jogava. Só que os dois eram tímidos, então não deu em nada. Até que um dia ele aparece namorando. Ok, facada nº 1 no coração dela. “Perdi”, foi o que pensou e decidiu seguir em frente. Ela começou a namorar, veio à formatura...
               2008! Mesmo namorando ela ainda pensava naquele cara de cabelo comprido do ensino médio. Ele terminou o namoro, ela não. Os dois conversaram algumas vezes por MSN, até que um dia ele disse que iria morar do outro lado do Brasil. Facada nº 2. “Quando é que eu vou ver ele de novo?”...
               2009! Ela na faculdade, e ainda no mesmo namoro. Ele disse que estava na cidade, então combinaram de se ver onde ela estudava. Os dois, ainda tímidos, ficaram juntos por 10 minutos e não chegaram a trocar 50 palavras. “Ele cortou o cabelo, e continua lindo!”...
               2010! Final de ano. Ela ainda namorando, ele definitivamente de volta à cidade. Marcaram de ir ao shopping e trocar presentes de natal. O ursinho que ele deu passou a ser o companheiro de todas as noites dela. A camisa que ela comprou, ele ainda usa, e de novo poucas palavras trocadas...
               2011! Ela terminou (finalmente!), ele a procurou. Passaram a trocar milhares de SMS por dia. Saíram numa noite para colocar o papo em dia, mas nada de mais aconteceu. Veio então o segundo “encontro”, no mesmo lugar em que estiveram da primeira vez algumas semanas antes. Mas dessa vez um beijo deu voz ao sentimento que os dois vinham guardando desde 2007. Sim, ele confessou que também gostava dela no ensino médio e que pensa nela desde o encontro de natal do ano anterior. Ela, porém, nunca deixou de pensar nele. O beijo deu início a um compromisso e as alianças fizeram o papel de selá-lo...
               2013! Um ano e meio se passou desde aquele primeiro beijo. Hoje eles têm um cachorrinho e fazem planos para o futuro. Demorou cinco anos para ficarem juntos e de dois tímidos que não falavam nada passaram a serem dois conversadores sobre tudo. Não ficam um dia sem se ver. Brigam e depois dizem que se amam. Os dois se completam, entendem, apoiam. E o amor que um sente pelo outro é lindo e qualquer pessoa consegue ver...
               2017! (...)